Apesar da crise, Rocha Terminais Portuários e Logística aposta no Porto de Paranaguá

por Redação JB Litoral
18/12/2015 09:00 (Última atualização: 18/12/2015)

NULL

O Porto de Paranaguá contrasta com o cenário econômico nacional. Enquanto os investimentos no Brasil estão em queda, a iniciativa privada vai investir R$ 1,1 bilhão no porto paranaense em 2016, segundo o diretor-presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina, Luiz Henrique Dividino. De acordo com ele, em apenas um dos projetos previstos para ampliar a capacidade de exportação no Porto estão sendo investidos cerca de R$ 300 milhões.

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que a Formação Bruta de Capital Fixo fechou o terceiro trimestre de 2015 em queda de 15% em relação ao mesmo período de 2014. O índice representa o quanto foi investido no país em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) e mostra uma forte retração nos investimentos ao longo dos últimos meses.

No entanto, o Rocha – um dos Terminais Portuários e Logística que atuam no Porto de Paranaguá – acaba de iniciar a construção de seus silos horizontais para operar na exportação de granéis sólidos (soja, milho e farelo) no porto paranaense. Atualmente, o Rocha opera, principalmente, na importação de granéis sólidos e possui um armazém arrendado e alfandegado de carga geral no Porto.[tabelas]De acordo com o diretor-presidente do Terminal Rocha, Jorge Henrique Sampaio, a empresa também opera nos Portos de São Francisco do Sul, Itaqui e Rio Grande. No entanto, apenas em Paranaguá está fazendo investimentos deste porte.Nós apostamos muito no Porto de Paranaguá e na sua importância para o cenário brasileiro. O Porto paranaense evoluiu muito nos últimos anos e conseguiu se manter na liderança de exportação e importação”, afirmou Jorge Henrique.

O COMPLEXO – O novo projeto contempla a construção de quatro silos horizontais para a movimentação de granéis agrícolas, com capacidade estática total de aproximadamente 300 mil toneladas e que serão conectados com as esteiras transportadoras do Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá. O potencial é para movimentar mais de 6 milhões de toneladas de grãos por ano.

Além disso, o complexo contará com um sistema de recepção diária de cargas para aproximadamente 471 caminhões do tipo bitrem e 210 vagões, quatro balanças rodoviárias e quatro balanças ferroviárias.

“Com estes investimentos autorizados pela Appa esperamos atender melhor em menor tempo os produtores rurais e clientes do Porto de Paranaguá”, disse Luiz Henrique Dividino.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Os armazéns estarão interligados ao Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá através de quatro esteiras transportadoras com capacidade nominal de 2 mil toneladas/hora, podendo atender dois navios simultaneamente e operar com dois tipos de produtos diferentes.

Para atender o fluxo de caminhões que chegará ao complexo para descarregar cargas, será construído um pátio de triagem e estacionamento em uma área própria da empresa, com 22 mil metros quadrados.

A construção desta estrutura – incluindo a movimentação, recepção, armazenagem e embarque de granéis sólidos de exportação – está sendo feita em terrenos privados do Rocha. A expectativa é que as operações iniciem no primeiro semestre de 2017.

SEGURANÇA PARA INVESTIR – O diretor-presidente do Rocha afirma que os investimentos demonstram a segurança que o Porto conquistou junto à iniciativa privada.

Entre as melhorias mencionadas pelo executivo estão a reforma do cais, campanhas de dragagem e os projetos para construção de novos píeres, o aumento do pátio de triagem, a aquisição de novos shiploaders e a repotencialização das atuais esteiras transportadoras. “Com isso, mesmo em um período de crise no país, vamos apostar em Paranaguá e gerar mais postos de trabalho para a cidade e aumentar a movimentação de cargas para o Porto”, disse o presidente do Rocha.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments