Cidades

Com cancelamento da tradicional Festa Feira de Morretes, produtores têm investido na Feira do Produtor

A feira passou por períodos de interrupção devido às restrições impostas pela pandemia de Covid-19, mas voltou e completa 10 anos
Por Flávia Barros
20/06/2022 07:47 |
Atualizado em 14:23

A tradicional Feira do Produtor de Morretes, que ocorre toda sexta-feira à noite na praça Rocha Pombo, e que tem como objetivo comercializar produtos da agricultura familiar, foi uma das atividades que mais sofreu com a pandemia de Covid-19. Mas, para marcar os 10 anos da feirinha, que existe desde 2012, além da retomada das atividades, a diretoria de Cultura da cidade organizou uma programação especial, com apresentações culturais premiadas pela Lei Aldir Blanc, que acontecerão até 1º de julho, no pátio da prefeitura.

A FEIRA

A Feira do Produtor em Morretes é uma iniciativa coletiva entre o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR), Prefeitura, Secretaria Municipal de Agricultura, Câmara Municipal de Morretes (CMM) e o Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS) e agricultores. “O objetivo é fazer com que os agricultores vendam direto aos consumidores. Mas, como sempre tinha música ao vivo e foi interrompida com a pandemia, tivemos essa ideia de voltar a promover com os shows musicais e fazer valer a lei municipal que estabelece a realização da feirinha”, disse, ao JB Litoral, a representante do Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER), Ruth Pires.

Já o secretário de Agricultura, Eudes Gustavo Kemmer, explicou o motivo desse retorno, com a mudança temporária do local. “A feirinha acontecia na praça em frente à prefeitura e agora levamos para dentro do pátio da prefeitura, para que os agricultores não tivessem o trabalho de desmontar as barracas por esse período. Também organizamos as apresentações para esse período de comemorações, pois normalmente os artistas são pagos pelos próprios feirantes, que dividem o custo”, disse Kemmer.

DUAS CONQUISTAS


O JB Litoral também conversou com a diretora de Cultura, Marcela Bettega, que comemorou poder aliar a feirinha aos projetos culturais. “A Lei Aldir Blanc é uma lei de justiça, veio para socorrer esses artistas que não tinham como trabalhar devido à pandemia. Tem uma finalidade de, além de promover a cultura, promover a qualidade dos trabalhos artísticos, foi surpreendente. Existe a possibilidade de continuarmos com as apresentações ligadas à feirinha sim, até porque há a programação de fazer um mural na praça Rocha Pombo, com artistas tocando enquanto outros pintam”, contou a diretora. A primeira apresentação ocorreu nessa sexta-feira (17) e acontecerá, também, nos dias 24 de junho e 1º de julho. 

SERVIÇO


A Feira acontece toda sexta-feira, das 18h às 22h, e conta com música, pratos típicos, comercialização de produtos locais e chopp artesanal da região. Confira a programação das apresentações, que começam às 20h:

24/06 – Nhundiacoco – Júlia Moretti

01/07 – Fonte de Luz e força da Vida – André Lucas