Antonina

Corte de árvores em jardim do Mercado Municipal gera revolta em moradores de Antonina

Por Gabriel Santos
16/07/2022 15:48 |
Atualizado em 4 semanas atrás

Nesta sexta-feira (15), os proprietários de um estabelecimento gastronômico publicaram vídeos nas redes sociais criticando o corte de árvores realizado pela prefeitura de Antonina no jardim do Mercado Municipal, localizado na área central da cidade. As publicações exibiam as árvores e flores já arrancadas em um dos pontos turísticos da cidade capelista.

Nas postagens, os moradores e empresários da região se mostravam indignados com a decisão do Poder Executivo. Segundo os empresários, a prefeitura alegou que a poda foi realizada porque as plantas e flores estariam atrapalhando a visão que os turistas têm da baía de Antonina.

“Isso que fizeram nessa praça hoje foi de uma incompetência e crueldade tão grande. Eram flores bonitas e a prefeitura veio passando a motosserra, destruindo tudo. Algumas dessas árvores foi que eu plantei, inclusive, gastei mais de R$ 400 reais para plantá-las”, comentou Nair Welzel.

Em entrevista ao JB Litoral, uma das empresárias contou que eles cultivam várias espécies de plantas e vinham cuidando delas nos últimos 5 anos. “Era um ponto turístico, as pessoas vinham aqui e tiravam várias fotos, e agora? Vamos mostrar a lama da nossa baía e os sacos de lixo que ficam aqui na frente. Estamos sem entender o que aconteceu”, disse Dafelin Cardozo.

De acordo com a Lei Municipal nº 34/2001, a prefeitura tem o direito de cortar as árvores e plantas nos locais públicos. Porém, em um inciso da mesma legislação, a lei aponta que qualquer planta ou árvore poderá ser considerada imune ao corte dada a originalidade, idade, localização, beleza e interesse histórico, mesmo estando localizada em terrenos particulares.

No ano passado, no mês de setembro, a prefeitura contratou a empresa Manutec Construções para o serviço de roçada, limpeza, poda, desbastes e remoção de entulhos no trecho de 10 km da linha ferroviária entre o município de Antonina e o limite do município de Morretes, pelo período de 12 (doze)
meses, pelo valor de R$ 148.500,00.

A contratação se deu por meio do processo licitatório nº 41/2021, e o edital da licitação define que a poda deve ser realizada utilizando foices, motosserra e/ou moto poda, e outros equipamentos que se fazem necessários. A poda consiste em cortar galhos de árvores ou arbustos que “avancem para dentro do perímetro determinado e árvores que se encontrem caídas”, em pontos específicos, numa extensão total de 10 km desde próximo ao cemitério até a divisa dos municípios.

Já o desbaste consiste na supressão de árvores ou arbustos que geram riscos de queda para dentro do perímetro determinado. E a remoção é definida de forma manual de galhos de árvores ou arbustos provenientes da poda e do desbaste, que geram riscos de queda para dentro do perímetro determinado,
gerando a obstrução da malha ferroviária. Segundo os moradores, nenhuma dessas situações foi verificada no caso das árvores no jardim do Mercado Municipal.

O JB Litoral buscou contato com a assessoria de comunicação da prefeitura de Antonina para mais esclarecimentos sobre o caso, porém, até o fechamento da reportagem, ninguém respondeu.