Porto de Paranaguá

Estivadores se unem e pedem a renúncia do presidente do Sindestiva, Izaías Júnior, em Paranaguá

Por Luiza Rampelotti
08/03/2022 17:32 |
Atualizado em 18:18

Na tarde desta terça-feira (08), os trabalhadores do Sindicato dos Estivadores de Paranaguá e Pontal do Paraná (Sindestiva) se reuniram para pedir pela destituição da atual diretoria. Dezenas de sindicalizados participaram da manifestação, que começou às 14h, em frente à chácara da Estiva (rua Paulo Canhola), e seguiu para a sede sindical na avenida Coronel Santa Rita.

O presidente Izaías Vicente da Silva Júnior precisou sair escoltado pela Polícia Militar da chácara do sindicato, enquanto os manifestantes gritavam pedindo por sua renúncia. De acordo com eles, são vários os motivos pelos quais os trabalhadores estão insatisfeitos com a atual gestão.

O estivador Emerson Conceição, mais conhecido como Macaé, já é estivador há 30 anos. Ele avalia que a situação do sindicato nunca esteve em uma posição tão desfavorável quanto atualmente.

Nestes últimos 30 anos, sempre tivemos altos e baixos, mas não nas proporções que vivemos hoje. Está insustentável. O responsável por nos representar fechou as portas para os operadores portuários, ministério público, governo estadual e municipal. Isso reflete negativamente no trabalhador”, começa Macaé.

Segundo ele, são inúmeras as situações que acontecem no sindicato, desde a posse do atual presidente, em janeiro de 2021, que ocasionaram a realização do movimento para a destituição. “Desde o início, ele tem tomado decisões arbitrárias que ferem o nosso estatuto, fez a mudança no plano de saúde que repercutiu muito mal dentro da categoria e influenciou diretamente no ganho do trabalhador, não negociou a Convenção Coletiva de Trabalho, que estamos sem desde o dia 31 de julho, e isso está trazendo um prejuízo muito grande para a categoria, entre outros”, esclarece.

Prejuízo de quase R$ 2 milhões


A falta de renovação da Convenção Coletiva de Trabalho (CTT) entre a Estiva e o Sindicato dos Operadores Portuários do Paraná (SINDOP) já foi tema de reportagem do JB Litoral. Na notícia, foi informado que a falta de acordo ocasionou um prejuízo financeiro de quase R$ 2 milhões aos cofres do Sindestiva e, consequentemente, aos trabalhadores.

A CCT venceu em julho de 2021 e, com isso, o Fundo Social foi cancelado, fazendo com que o sindicato deixe de receber, mensalmente, cerca de R$ 280 mil. Já sobre a queixa a respeito da mudança no plano de saúde, explica que o presidente realizou o encerramento do plano que estava em vigência, o MedSul.

  • Estivadores se unem e pedem a renúncia do presidente do Sindestiva, Izaías Júnior, em Paranaguá, JB Litoral - Notícias de Paranaguá, Guaratuba, Morretes, Guaraqueçaba e litoral do Paraná
  • Estivadores se unem e pedem a renúncia do presidente do Sindestiva, Izaías Júnior, em Paranaguá, JB Litoral - Notícias de Paranaguá, Guaratuba, Morretes, Guaraqueçaba e litoral do Paraná
  • Estivadores se unem e pedem a renúncia do presidente do Sindestiva, Izaías Júnior, em Paranaguá, JB Litoral - Notícias de Paranaguá, Guaratuba, Morretes, Guaraqueçaba e litoral do Paraná

Esse plano da MedSul transcorria muito bem e era aprovado pelos trabalhadores, com o valor de R$ 168 por dependente. Mas o presidente achou por bem fazer de tudo para que esse plano estourasse o break even (que é o limite que ele pode ser utilizado) e isso aconteceu, gerando perda financeira ao trabalhador, que foi onerado. Veio outro plano de saúde que não está a contento da categoria”, esclarece.

Além disso, o estivador ressalta outras situações prejudiciais à categoria. “Como a negociação de 4 chamadas que ele não aceitou e não passou para a categoria, a situação das ACTs que não estão fechadas, assim como a CCT, entre outras. São várias coisas que foram se acumulando e isso resultou nessa manifestação”, comenta.

É impossível continuar com a mesma diretoria”, diz Macaé


Para ele e demais estivadores que participaram da manifestação, a solução é que o presidente Izaías Júnior convoque uma Assembleia Geral e renuncie ao cargo, junto com sua diretoria. “Antes de chegar a esse ponto, já marcamos várias reuniões com ele, muitas vezes ele foi sarcástico, não dava atenção para aquilo que era importante para o sindicato. Tentamos ajuda-lo, é uma situação chata destituir uma diretoria, mas, infelizmente, é impossível continuar com a mesma”, diz.

Macaé afirma que, caso haja a renúncia e/ou destituição, o Sindestiva irá instituir uma Comissão Provisória ou Junta Governativa, que administre o sindicato durante três meses, até que uma nova eleição seja realizada. “Precisamos de novos horizontes. O sindicato é muito importante dentro da cidade, ampara as famílias estivadoras, ajuda o município a crescer, então prezamos muito por ele”, conclui.

O JB Litoral fica à disposição para que o presidente Izaías Júnior se manifeste até o final desta semana.