Há mais de 30 anos Paranaguá exporta um Papai Noel para o Litoral e Santa Catarina

por Redação JB Litoral
18/12/2019 15:16 (Última atualização: 24/02/2020)

A época de final de ano traz a expectativa de descanso, muita praia e curtição, já que, com ela, chegam as esperadas férias e o verão. Mas, em tempos de crise, muitos abrem mão da calmaria para buscar levantar uma grana extra durante a estação. Apesar de o calor típico de Paranaguá, o mês de dezembro cria possibilidades de novos negócios, experiências inusitadas e, em alguns casos, até divertidas, que podem se transformar em algo duradouro, como se vestir com os trajes do Bom Velhinho.

Todos os anos, neste período, milhares de crianças realizam o sonho de conhecer o Papai Noel. E, ao mesmo tempo, centenas de homens têm a oportunidade de ganhar um dinheiro a mais.

O parnanguara João Carlos Borges Mourad, mais conhecido como Mura Mura, enfrenta a realidade de ser o tradicional entregador de presentes diretamente do Polo Norte para o verão brasileiro, de mais de 40ºC.

Ele encarna a figura natalina há mais de 30 anos. “Comecei a fazer o Papai Noel no último ano do prefeito José Vicente Elias, quando fui convidado para, em cima de uma carreta iluminada, rodar os bairros da cidade trajado como o Bom Velhinho, levando alegria para as pessoas”, relembra. Na mesma época, Mura também passou a se vestir de Papai Noel para animar o comércio local.

A remuneração por poucos dias, muitas vezes, equivale a um décimo terceiro ou até mais do que se ganha em um mês comum. “É uma renda extra que entra e me ajuda muito, porque acaba sendo um 13º que me possibilita sustentar minha família”, diz.

A caridade do Natal

Mas, além da questão financeira, Mura também leva o Bom Velhinho para ser a atração principal do Natal de diversas pessoas carentes, de forma voluntária. Há 25 anos ele é o Papai Noel para os idosos que vivem nos asilos de Paranaguá. “No dia 25 faço, também, a visita ao Abrigo dos Idosos e o Asilo São Vicente de Paula, junto aos funcionários do IAP. Começou comigo e um amigo, e hoje o grupo conta com mais de 20 pessoas. Além de levarmos kits de higiene bucal, fraldas e presentes, levamos o espírito natalino, que é a fraternidade e caridade, para os idosos, e recebemos sua alegria nas visitas”, conta.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

O Natal certamente é um dos eventos mais importantes do ano para um cristão. O ensinamento religioso incentiva, culturalmente, o povo a reproduzir o perdão, a solidariedade e a caridade, especialmente nesta data.

Papai Noel exportado

O Papai Noel parnanguara é exportado para outras cidades e, até, para outro estado. Mura encara o desafio e, fantasiado, vira a figura do Natal nos comércios de Morretes, Matinhos, Pontal do Paraná, Antonina e Guaratuba, no Litoral, e em Itapoá, Joinville e Garuva, em Santa Catarina. “Sou um Papai Noel diferenciado, porque faço, também, a locução das promoções nas lojas. Então esse trabalho me permite apoiar o comércio, deixando as lojas mais animadas e incentivando as compras”, diz.

Apesar de nunca ter feito nenhum curso preparatório, o carisma e profissionalismo de Mura faz com que ele seja muito cotado e agrade aos clientes e, principalmente, às crianças, que nunca deixam de pedir um abraço e doces ao Bom Velhinho. “Minha preparação foi o incentivo dos amigos, o dia a dia com a criançada, a alegria de ver os pais trazendo as crianças e o brilho nos olhos delas”, revela.

Para ele, o mais importante de ser um Papai Noel é ver a alegria transpassada pelo sorriso no rosto de uma criança. “É gratificante ver os pequenos entendendo a magia do Natal, pois sempre passo a mensagem de que, apesar de o Papai Noel ser muito legal, eles não devem esquecer que o dia 25 de dezembro é o nascimento do Menino Jesus, renovando nossa fé”, diz.

Mura agradece a todos que, de uma forma ou de outra, fazem com que seu “bico de final de ano” seja possível por tanto tempo. “Minha gratidão a todos que param para cumprimentar o Papai Noel, que agradecem a balinha, o pirulito, que pedem para vir receber um abraço e tirar uma foto. Gratidão!”, conclui.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments