JB Gente

MBD do Paraná quer nome para o Senado e distância de Lula e do PT

Por Maximilian Santos
15/10/2021 16:56 |
Atualizado em 18:49

O MDB estadual, presidido pelo deputado Anibelli Neto, comemora a decisão do MDB nacional de não embarcar no nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, para a presidência. O que a direção do partido no estado quer é a possibilidade de a sigla colocar um candidato próprio na principal disputa eleitoral nacional de 2022, até mesmo para que possa integrar uma possível “vice” da tão aguardada terceira via. A senadora Simone Tebet, que vem se destacando na CPI da Covid, é a mais provável para ocupar o posto.

Com relação as demais colocações, o MDB estadual pretende apresentar somente candidatos para o Legislativo. Além de nomes nas diferentes regiões do Paraná para deputados estaduais e federais, está negociando uma possível candidatura para o Senado. Na imprensa, se possibilitou sobre João Arruda, mas o ex-deputado desmentiu por meio de suas redes sociais, que será candidato no próximo ano. A executiva estadual também diz que não colocará candidato para disputar o Palácio Iguaçu e que, também, não fará qualquer aliança ou proximidade com o PT paranaense.

Conversa do PT com nomes do MDB causou atrito entre Ciro Gomes e Dilma

Durante a semana, o tom entre o PDT de Ciro Gomes e o PT esquentou, bem por conta das conversas de Lula com nomes fortes do MDB nacional, que são políticos que teriam articulado o “Golpe de 2016”, por meio do impeachment de Dilma Rousseff. Lula esteve conversando com Renan Calheiros (MDB-AL) – que era presidente do Senado na época –, e Eunício Oliveira (MDB-CE), que articulou o impeachment dentro do Congresso. Com isso, o pedetista e presidenciável acabou soltando ao Estadão, que o próprio ex-presidente Lula teria “conspirado pelo impeachment de Dilma”, já que tenta negociar apoio com quem conduziu o chamado golpe. Ciro foi um dos principais nomes que lutaram contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff no poder. Como resposta, após ter também chamado a petista de incompetente, a ex-presidente chamou Ciro Gomes de “misógino” e disse que lamenta ter sido sua amiga, em trocas de mensagens no Twitter, durante a semana.