Destaques

Porto de Paranaguá recebe delegações de Bangladesh e dos Países Baixos

Por Agência Estadual de Notícias - AEN
09/06/2022 18:46 |
Atualizado em 10:54

O Porto de Paranaguá e o Estado do Paraná atraem investidores e negócios do mundo inteiro. Nesta quinta-feira (9), a empresa pública Portos do Paraná recebeu delegações das embaixadas de Bangladesh e dos Países Baixos. O interesse, nos dois casos, é pela ampliação do comércio com o Brasil e a criação de novas oportunidades conjuntas.

“O sistema portuário paranaense tem capacidade para desempenhar um papel fundamental no cenário global. O mercado internacional tem reconhecido os diferenciais que oferecemos nos arrendamentos, na eficiência de embarque e no cuidado com a sustentabilidade”, destacou o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia. Ele lembrou que a Portos do Paraná foi reconhecida mais de uma vez pela excelência de gestão pelo Ministério da Infreaestrutura.

Bangladesh, que hoje é um dos três principais compradores da soja em grãos via Paranaguá, tem interesse em ampliar as importações de óleo vegetal. Segundo a embaixadora Sadia Faiunnesa, o país também busca novas alternativas de negócios via Paraná. “Esse fluxo de cargas é muito importante para nós e nossa relação com o Estado tem crescido nos últimos anos”, disse. Antes de conhecer o Litoral, ela também visitou o governador em exercício Darci Piana.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
Porto de Paranaguá recebe delegações de Bangladesh e dos Países Baixos, JB Litoral - Notícias de Paranaguá, Guaratuba, Morretes, Guaraqueçaba e litoral do Paraná

Os Países Baixos, principais compradores de farelo de soja, também reforçaram a importância do Paraná no comércio internacional. Em uma missão de negócios no Brasil, empresários que atuam no porto de Roterdã, um dos mais desenvolvidos da Europa, visitaram o porto de Paranaguá e trocaram ideias com operadores portuários e parceiros que atuam no terminal local.

“Nosso objetivo é estabelecer uma estratégia conjunta, de longo prazo, que aproxime ainda mais os dois países. A expectativa é criar uma colaboração robusta que beneficie ambas as economias e que permita a troca de conhecimento para gerar novos negócios, de maneira sustentável e inovadora”, explicou Wilbert Lek, que coordena o grupo.