Turistas gastam menos que o esperado neste início de temporada

por Redação JB Litoral
17/01/2020 00:22 (Última atualização: 02/03/2020)

Presidente da ACIMA discorda do fechamento do comércio, mas vai orientar os lojistas a fecharem as portar

Comerciantes do Litoral do Paraná aguardam ansiosos pela alta temporada para aquecer o comércio local. Mas, de acordo com o presidente a Associação Comercial e Empresarial de Matinhos (ACIMA), Adriano Menine, as vendas foram abaixo do esperado no início desta temporada para muitos comércios da cidade.

Segundo o presidente, ainda não há dados oficiais, mas de acordo com uma pesquisa informal com os comerciantes, o faturamento durante o ápice do verão, entre o Natal e o Réveillon do ano passado, foi diferente em relação aos anteriores. “Este ano não houve um padrão como nos anos anteriores. Ele ficou bem diferenciado em vários segmentos. Na alimentação, por exemplo, houve empresário que relatou um aumento e outro um decréscimo”, disse Menine.

Apenas no Réveillon, mais de 2.5 milhões de pessoas estiveram no Litoral do Paraná, segundo a Secretaria da Segurança do Estado do Paraná. Porém, o presidente salienta que, neste ano, os turistas estão mais preocupados com os preços. “Percebemos um padrão de turismo que não tínhamos. Turistas pesquisando preços e preocupados com o bolso. Acredito que devido ao aumento de todos os custos fixos pessoais, como água e luz, por exemplo, mais a dificuldade financeira amargada por uma crise que vem assolando o país, acabou sobrando um valor menor para o turista consumir”.

Visando um aumento nas vendas até o fim da temporada, os comerciantes apostam em promoções para atrair os turistas. “Nós temos três mil empresas com CNPJ, 156 delas são associadas na ACIMA, que se preparam e estão acostumadas com a temporada. Ao verificar que o ganho não foi como o esperado, elas começam com as promoções para atrair o público e suprir os seus custos”, explicou Adriano.

Instalação da loja Havan e Bavaresco

Perguntado sobre a instalação da loja Havan na cidade, Adriano afirma que a Associação não foi procurada pela empresa, mas que realmente há o interesse. “É uma situação bem polêmica, mas tudo que soubemos foi pela imprensa. Nós somos totalmente a favor, pois traria um número expressivo de vagas de emprego”, disse.

A cidade espera pela loja desde 2018 e a obra, que deveria ter 6.771,59 m² de área construída, em um terreno de 22.136,65 m², localizado no Parque Municipal do Tabuleiro (Avenida Juscelino Kubitschek de Oliveira), uma área de Mata Atlântica, em Caiobá, promoveu um confronto entre a prefeitura e Ministério Público do Paraná (MPPR).

O Bavaresco passa pela mesma situação, desde 2018 a rede de supermercados está tentando se instalar na cidade. A construção da filial prevê investimentos de R$ 12 milhões e a geração de cerca de 600 empregos, diretos e indiretos. Para isso, a rede adquiriu o terreno situado ao lado do Ginásio Vicente Gurski.

Porém, a Prefeitura negou o alvará de construção. De acordo com o Executivo, a negativa se baseou na Lei nº 1070/06, do Código de Obras, que exige, para este tipo de estabelecimento, uma vaga de estacionamento a cada cinco metros quadrados de área de venda. Roberto Bavaresco, proprietário da rede, declarou que a determinação “não tem precedentes em nenhum lugar do Brasil e é inconstitucional”. Ele também afirmou que em nenhum lugar do mundo “há taxas tão altas como essas que estão sendo cobradas por eles por vaga de estacionamento”. Bavaresco disse ainda que continuará “na luta” em defesa de seus direitos e afirma que a Lei impede que qualquer outro estabelecimento se instale na cidade.

O que é ACIMA

É a Associação Comercial e Empresarial de Matinhos (ACIMA) que tem como objetivo trabalhar em prol do desenvolvimento dos seus associados. Adriano Menine, integrante da Associação há cinco anos e presidente desde julho de 2019, afirma que a ACIMA realiza ações durante todo o ano com o intuito de aperfeiçoar o comerciante local. “Na temporada nós paramos todas as ações por conta da necessidade do empresário estar voltado para a empresa dele. Mas já temos um calendário com ações definidas para este ano. Além de cursos para o aperfeiçoamento dos comerciantes e ações para atrair o público”, disse Menine.

Os eventos da ACIMA são abertos para todos os empresários, alguns gratuitos e outros com custos. “Nossos eventos são abertos para associados e não associados com diferenças nos valores. Para o associado muitas vezes conseguimos subsidiar e para o não associado cobramos um preço diferente”, completou.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments