Destaques

Velórios são interrompidos para evitar assaltos em Paranaguá

Por Redação JB Litoral
18/07/2014 00:00 |
Atualizado em 00:00

Um dos momentos de maior respeito na vida humana é o de luto pela perda de uma pessoa próxima. Apesar desse preceito básico na sociedade, alguns indivíduos não respeitam este momento e acabam assaltando cidadãos em plena capela municipal, durante os velórios em Paranaguá, diante do Cemitério Nossa Senhora do Carmo. Os assaltos no local têm sido alvo de reclamação há meses, o que fez o vereador Adalberto Araújo (PSB), solicitar à prefeitura, a disponibilidade de um guarda civil municipal junto à capela velório.

De acordo com sua assessoria, “o pedido se deu após a notícia levada a conhecimento do vereador de que as funerárias estão interrompendo os velórios à meia-noite, recolhendo os corpos, para evitar assaltos no local”, acrescentou.

Apesar do pedido encaminhado pela Câmara ao prefeito Edison de Oliveira Kersten (PMDB), um usuário, no último dia 2, quase um mês após a solicitação ter sido enviada ao Executivo, postou nas redes sociais que a insegurança ainda persiste na Capela. Segundo Adoniran Domingues Guimarães, durante um velório no período noturno, eles foram “convidados a sair do local, pois correriam o risco de serem assaltados, uma vez que não têm vigias ou seguranças para as pessoas que estavam presentes”.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
Velórios são interrompidos para evitar assaltos em Paranaguá, JB Litoral - Notícias de Paranaguá, Guaratuba, Morretes, Guaraqueçaba e litoral do Paraná

Indignado com a situação, Adoniran afirmou que as funerárias poderiam contratar um segurança para o local, ou que a prefeitura encaminhasse um Guarda Municipal Civil ao local. “Só assim as pessoas que ali estejam velando um ente querido, ficassem protegidas num momento tão especial. Estamos perdendo espaço para os ladrões, onde eles nos impõem horários como toque de recolher?”, questiona o usuário na rede social, cobrando providências das funerárias e da prefeitura.

Por sua vez, o usuário Ismael Hajar, ressaltou de forma irônica, que “daqui a pouco venderão os serviços funerários com a opção: com ou sem segurança. Em termos de comércio seria a diversificação do negocio aproveitando o descaso político.  Velório na capela já dá a conotação de arapuca. Tomara que os falecidos entendam, caso poucos apareçam para a despedida”, comentou. O assunto repercutiu em centenas de perfis nas redes sociais. Na próxima semana o JB irá pedir um pronunciamento sobre o assunto da Prefeitura.