Política

Vereador Ricardo deixa Meio Ambiente e assume a presidência da Cagepar amanhã

Por Redação JB Litoral
14/08/2014 23:00 |
Atualizado em 23:00

Pouco mais de seis meses foi o tempo que permaneceu no cargo de presidente da Companhia de Água e Esgotos de Paranaguá (Cagepar), o executivo Claudio Glock de Souza, ex-gerente comercial da concessionária CAB Águas de Paranaguá. 

Amanhã, sexta-feira (15) o prefeito Edison de Oliveira Kersten (PMDB), assina o decreto de nomeação do vereador licenciado, Antonio Ricardo dos Santos (PROS), que deixa a Secretaria de Meio Ambiente, para comandar a empresa de economia mista, cujo maior acionista é a prefeitura de Paranaguá.

Vale lembrar que o presidente que deixa a empresa, Claudio Glock, atuou na subconcessionária CAB Aguas de Paranaguá desde o início da gestão do prefeito José Baka Filho (PDT), em 2005, e permaneceu até o ano de 2012, quando se desligou da empresa. Convidado para assumir o lugar de Waldir Campos, Glock, foi o terceiro presidente da Cagepar em um ano e meio da gestão Mário Roque e Kersten.

A empresa iniciou sob a presidência de Aldemis Crispin de Oliveira, que a entregou falida para Edson Veiga em 2005 e sem nenhuma condição de funcionamento, quanto mais fiscalização. Depois o próprio Aldemis pediu exoneração, quando assumiu Guilherme Roque, neto o ex-prefeito e nela permaneceu no comando até o Kersten assumir a prefeitura e colocar em seu lugar, Waldir Campos.

A partir de amanhã, o vereador Ricardo se torna o quarto presidente em menos de dois anos de gestão e o terceiro em pouco mais de uma ano da gestão Kersten.

Ainda não se sabe se os diretores Luciano Cezar Dias Salmon (Técnico) e Gasito Sales das Neves Junior (Administrativo e Financeiro) permanecerão nos seus cargos, na equipe do novo presidente da Cagepar.

Recuperação da Cagepar na gestão Veiga

Ao voltar ao cargo de presidente da Companhia de Água e Esgoto de Paranaguá (Cagepar), Edson Pedro da Veiga, foi o grande responsável pela recuperação da massa falida que recebera da gestão anterior. Os resultados obtidos em quase sete anos de gestão tornaram a empresa autossuficiente e em condições de existência atualmente.

Ao assumir o cargo em 2005, Veiga, herdou uma empresa falida, com mais de R$ 7 milhões em dívidas, sem crédito na praça e contas bancárias bloqueadas pela justiça do trabalho e uma equipe de apenas nove funcionários para administrar o sistema de abastecimento de água de Alexandra e Ilha do Mel.

Após sete anos, a Cagepar está com três Estações de Tratamento de Água, sendo duas na Ilha do Mel e uma em Alexandra; construiu mais de 14 quilômetros de rede e instalou mais de 1.200 hidrômetros. Está com suas finanças equacionadas e se tornou uma empresa auto-sustentável administrada com recursos próprios.

Está pagando mensalmente 70 mil reais em dívidas (Copel, Tributos Federais e empréstimos) contraídas na segunda gestão de Mário Roque (PMDB), também recuperou o crédito na praça e quitou dívidas trabalhistas que resultaram no desbloqueio das contas bancárias na gestão 2005 a 2008. Também restaurou o prédio administrativo, adquiriu móveis, equipamentos de informática, e página na web. Aquisição de materiais para laboratório de análise de água nas três Estações de Tratamento de Água.

Realizou três concursos públicos aumentando o quadro funcional de nove para 26 funcionários concursados, inclusive com advogado e engenheiro químico, dois estagiários, três terceirizados e um menor aprendiz na sua equipe de trabalho, totalizando assim uma equipe de 32 pessoas. Equipe essa que foi desfeita pela atual gestão. O ex-presidente Veiga contou ainda com sorte ao perfurar o poço profundo em Alexandra, onde encontrou água mineral que está abastecendo as casas do bairro.

Mesmo no período em que esteve ausente, a Cagepar não parou o ritmo de trabalho, em razão do excelente desempenho da funcionária de carreira Simone Silva de Araujo, que assumiu o comando da empresa quando ele deixou o cargo para trabalhar na campanha de reeleição do prefeito José Baka Filho.