Instituto faz estudo para auxiliar no manejo correto da restinga, em Pontal do Paraná

por Luiza Rampelotti
17/03/2020 17:44 (Última atualização: 17/03/2020)

Área de restinga, em Pontal do Paraná

Com menos de um ano de fundação, o Instituto Pró-restinga já está atuando, junto à Prefeitura de Pontal do Paraná, para realizar um levantamento sobre quais são as espécies exóticas existentes na restinga da cidade. O objetivo é mapear essas espécies para, então, ensinar aos funcionários municipais como retirá-las dali e executar o manejo correto da vegetação.

A bióloga e presidente do instituto, Juliane Nonato, explica que o objetivo do Pró-restinga é atuar em harmonia com o meio ambiente e a sociedade. “A gente não é contra o corte e nem a favor, queremos ensinar o manejo correto, que é o que irá proporcionar melhorias para o meio ambiente e para a população. A restinga, na verdade, é a vegetação mais baixa, e faz toda a proteção contra ressacas e ao mesmo tempo contra problemas de saúde pública, como a dengue. As demais espécies podem ser retiradas sem prejuízo”, diz.

Segundo ela, apesar das manifestações contrárias à restinga, a população precisa entender a importância dessa vegetação. “Se não tiver a restinga, os animais não têm para ir e vão parar dentro das residências, os insetos principalmente. A dengue, por exemplo, poderia ser combatida simplesmente mantendo a vegetação nativa”, conta.

Meio ambiente X Desenvolvimento

A maioria dos participantes do Pró-restinga são alunos de Biologia, da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC), em Curitiba. Outros membros já são formados e, ainda, alguns realizam mestrado e doutorado. Apesar de serem estudantes na Capital, muitos deles moram no litoral ou já moraram. “A ideia de trabalho do instituto é atuar em questões ambientais e sociais, como conciliar a conservação da natureza com o bem estar social, economia e empregabilidade”, diz Juliane.

Ela fala, também, de uma questão polêmica entre os ambientalistas: a execução da Faixa de Infraestrutura, em Pontal do Paraná, e do Porto Pontal Paraná (3P). “A gente sabe que futuramente a intenção é construir a nova estrada e um porto, então nosso intuito é trabalhar junto para que os empreendimentos aconteçam, mas que haja ações de preservação, que inclusive podem contemplar formas de renda para a população”, afirma.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Segundo ela, é possível criar parques de conservação em áreas preservadas, como a restinga, para que a população usufrua desses espaços e os turistas possam conhecer. “Aqui no Brasil está crescendo cada vez mais a atividade de Bird Watching, que é a observação de aves, e isso atrai inúmeros turistas de fora do país, que veem observar a grande quantidade de espécies que a Mata Atlântica possui. A gente pode trazer isso para Pontal do Paraná, porque temos essa diversidade aqui. São atividades que permitem proporcionar o desenvolvimento para a região e, ao mesmo tempo, manter a conservação ambiental”, comenta.

A restinga existente na cidade, não só na beira da praia, como também, a restinga florestal, próxima ao Parque Estadual do Palmito, é bem conservada e permite a execução de projetos como o descrito acima.

Demais ações

O biólogo e professor universitário Carlos José Gomes, que também faz parte do instituto, comenta sobre as demais ações realizadas pelo Pró-restinga. “Em parceria com a PUC, realizamos ações de saúde em Matinhos, como ação de conscientização em relação à dengue, visitas junto à equipe de enfermagem, nutrição, fisioterapia e odontologia às pessoas acamadas, coleta de lixo na restinga, entre outros”, diz.

Segundo ele, a ideia é realizar atividades em todos os municípios do litoral. Atualmente, o trabalho também está sendo iniciado em Antonina.

Instituto faz estudo para auxiliar no manejo correto da restinga, em Pontal do Paraná 1
Professor Carlos e Bióloga Juliane