Anulação da posse de Diretoria vira tumulto na Assembleia de Deus de Paranaguá

por Redação JB Litoral
21/08/2019 20:09 (Última atualização: 24/02/2020)

A decisão da Convenção das Igrejas Evangélicas Assembleianas de Deus no Estado do Paraná (CIEADEP)  de não atender ao Artigo 33, Inciso I, do Estatuto da Igreja Evangélica Assembleia de Deus (IEAD) de Paranaguá, que garantiria ao cargo do vice-presidente Pastor Reginaldo Alves assumir a presidência da IEAD e acenar com a eleição para definição da nova diretoria, resultou em polêmica nas redes sociais, dividida entre muitas críticas e apoio a esta decisão.

Em uma conversa com membros da igreja, que optaram por não se identificar, foi informado que a solenidade de posse, marcada para ontem (20), não ocorreria, o que de fato se confirmou. Da mesma forma, fontes da reportagem repassaram a informação de que a CIEADEP definiu nova eleição a ser realizada no dia 01 de setembro, por meio de votação por urnas, que serão fixadas em todas as 55 congregações. Até a semana passada, boatos davam conta de que haviam cerca de 12 candidatos na disputa pelo cargo de presidente, entre eles Pr. Reginaldo e Pr. Emerson Alves, filho do Pastor José Alves.

Nas redes sociais, a situação gerou polêmica e diversos fiéis tomaram partido, se posicionando a favor de um ou outro candidato. Alguns realizaram postagens em apoio ao seu pastor escolhido, e outros declaram que a “disputa pastoral” é uma “vergonha para o evangelho”, e que o cenário se tornou “politiqueiro”.

Na noite desta terça-feira (20), um clima de tensão tomou conta do culto realizado na sede da Assembleia de Deus, uma vez que um encontro reuniu os dois pastores Reginaldo e Emerson, além dos pastores Jetro Batista de Oliveira e Maurici Alves, com a recomendação da CIADEP para que buscassem um consenso ou solução ao impasse.

Um dos membros da igreja, que também optou por não se identificar, disse que a Convenção Estadual da IEADP ofereceu a presidência da igreja ao Pastor Maurici Alves, que é o atual Presidente da Associação dos Ministros Evangélicos de Paranaguá (AMEP). O fiel afirma que este, por sua vez, já havia comunicado a vários obreiros que não aceitaria a indicação para concorrer a esta eleição, decisão que formalizou oficialmente no dia de ontem à Comissão Eleitoral da Convenção Estadual.

Suposta origem do tumulto

A reportagem do JB Litoral buscou informações, junto à igreja, a respeito do clima que se instalou na igreja na noite de ontem e conversou com o Pastor Emerson, que alegou não ter ninguém que pudesse falar sobre o assunto pela igreja, inclusive ele. Porém, membros que presenciaram o acontecimento e preferem não se identificar informaram que o tumulto ocorreu justamente em função da reunião dos quatro pastores durante o culto, e que foi impedida a participação de qualquer outro membro da igreja. Todavia, Ezequiel Ferreira, genro do Pastor José Alves, tentou entrar no local e foi impedido por integrantes da Igreja Assembleia de Deus do bairro Jardim Iguaçu. Um membro informou que, neste momento, Ezequiel teria desferido um soco em um deles e o tumulto foi deflagrado.

A confusão gerada após esta situação, mais uma vez, ganhou as redes sociais na noite de ontem, inclusive com fotos e muitos comentários.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Desistência

Após toda repercussão, hoje (21), o Pastor Emerson fez uma nota informando de sua desistência da candidatura à presidência das Assembleias de Deus na cidade, alegando a necessidade de cuidar de sua família e da sua mãe e agradeceu a todos que lhe demonstraram apoio. “Sempre amei esta igreja e me esforcei ao máximo para servi-los com alegria e amor. Não há ganância em meu coração, apenas amor e vontade de servi-los ainda mais com a graça de Cristo”, diz parte da nota.

Da mesma forma, o Pastor Maurici também formalizou, em nota, a decisão que já havia anunciado, de não querer disputar a eleição para presidência da sede.  “Caros irmãos, meu nome foi indicado para concorrer à Presidência das Assembleias de Deus em Paranaguá. (Isso foi feito em uma reunião em que eu não estava presente, pois cheguei hoje dia 20/08/2019, de uma viagem de férias com toda minha família). Eu já havia comunicado a vários obreiros, que não aceitaria a indicação para concorrer a esta eleição. Hoje formalizei oficialmente esta minha decisão à comissão eleitoral da Convenção Estadual. Resumindo: Não sou candidato à Presidente das Assembleias de Deus em Paranaguá”, diz a nota. Ele encerra pedindo que Deus dê paz. “Minha oração é que  Deus tenha misericórdia da nossa Igreja e nos ajude a superar todas as dificuldades e nos dê da sua Paz”, conclui o pastor.

Nesta semana, a CIADEP deverá se pronunciar e definir o que será feito nesta situação, se manterá o processo eleitoral ou indicará um novo presidente, uma vez que esta prerrogativa é superior ao Estatuto.

Hoje, as igrejas das Assembleias de Deus, contam com mais de oito mil membros batizados e um número aproximado de dois mil congregados. O novo presidente deve cuidar de 55 congregações ligadas à denominação dentro do município, incluindo também ilhas e colônias.

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments