Guaraqueçaba completa 476 anos e prefeita não vê motivos para comemorar

por Cleverson Teixeira
09/03/2021 18:59 (Última atualização: 11/03/2021)

Dona de uma natureza exuberante e de um povo acolhedor, Guaraqueçaba completa, no dia 11 de março, 476 anos de muita história. O município, o qual está localizado no litoral norte paranaense, faz limite com as cidades de Antonina, Paranaguá e Campina Grande do Sul, além de fazer divisa com o estado de São Paulo. O seu nome, em tupi-guarani, significa “Lugar do Guará, que é uma ave avermelhada típica da localidade. A região, composta por praias desertas, cachoeiras e diversas espécies de animais, fica em meio a maior reserva de Mata Atlântica do Brasil, possuindo 24 ilhas e 29 comunidades rurais.

Diante da aproximação da data comemorativa, o JB Litoral foi até o município de Guaraqueçaba conversar com a prefeita Lilian Ramos Narloch (PSC), a qual retornou ao executivo em janeiro de 2021, depois de ter atuado como como gestora municipal no período de 2013 a 2016. Lilian começou a entrevista destacando o seu trabalho durante o atual cenário pandêmico. Conforme ela, a própria localização gera dificuldades, em certos momentos, para a realização de serviços prestados pela atual administração.

“Guaraqueçaba já é um desafio até mesmo pela região geográfica. A pandemia nos torna impotente, às vezes, na questão de fiscalização. A cidade recebe muitas pessoas, familiares que moram em outros municípios, tanto pela estrada quanto pelo mar. Então, ter uma fiscalização em uma baía dessa, como a baía da laranjeira, já é um grande desafio. Governar o município durante a pandemia, é uma coisa atípica. Mas Guaraqueçaba está mantendo o protocolo. Estamos levando informação paras as famílias, mantendo o distanciamento social e fazendo a nossa parte, que é destinando os recursos, para que possamos dar atendimento para toda a população”, destacou.

Comunicação com a comunidade

Por ter nascido e crescido em Guaraqueçaba, que tem mais de 7.500 habitantes, Lilian Narloch disse que tem facilidade em lidar com os moradores. De acordo com a gestora, o diálogo entre ela e as comunidades se torna mais eficaz na hora de resolver qualquer situação que os envolva. “Como caiçara, fica mais fácil até a linguagem com a população. Conseguimos enxergar a problemática do dia a dia das famílias de uma forma mais simples, falando a linguagem do povo. Sabemos dos problemas que enfrentam, sejam eles pescadores, agricultores ou morador da sede. Por ser nativa, isso facilita bastante a comunicação entre mim e eles”, afirmou.

A prefeita aproveitou para ressaltar a sua entrada no mundo político. Segundo Narloch, o fato de seu pai, o já falecido Antonio Felício Ramos Filho ter atuado como prefeito durante as gestões de 1993 a 1996 e 2001 a 2004, fez com que houvesse uma identificação com a política. “É o meu segundo mandato. O meu pai foi prefeito, aqui, por dois mandatos, foi vice e vereador. Então a gente tem uma familiarização com a política. E isso vem também da familiarização com a comunidade, de estar presente em todas as ações como sociedade”, complementou.

Problemas apagam comemoração

Conforme a atual gestora, a cidade, como qualquer outra, apresenta diversas situações emblemáticas. Diante disso, Lilian enumerou algumas questões que atingem toda a comunidade. “Um dia me falaram que eu vivo no paraíso. Eu disse assim: Eu vivo no paraíso, mas não se esqueça que aqui também tem conflitos. Nós temos a mesma problemática de saúde que tem nos grandes centros, em uma proporção menor, mas com dificuldades talvez maiores, até. Quando vivemos em uma região que depende da situação climática para fazer a travessia pelo mar, acabamos ficando em uma situação de deslocamento. Tem, também, a questão agrícola, de saúde e transporte escolar, pensando na PR-405, sem pavimentação, sem manutenção. Por um outro lado, temos uma riqueza ambiental e qualidade de vida. Mas enfrentamos desafios como qualquer outro município do Paraná”, pontuou.

Estrada

Dentre os problemas enfrentados pelos moradores, o maior deles é o acesso a PR-405, que liga Guaraqueçaba aos municípios de Antonina e Morretes. A população e políticos da região têm reivindicado a manutenção da estrada. Representantes do município foram até Curitiba participar de um encontro com membros do Governo do Estado.

O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) enviou equipamentos para o reparo, mas os trabalhos duraram apenas uma semana. Com isso, o trecho, que soma 80 quilômetros, encontra-se em péssimas condições de tráfego, com buracos e muita lama por causa das fortes chuvas. O JB Litoral trouxe esse caso na edição de 22 de fevereiro. Na ocasião, o Governo do Estado não respondeu aos questionamentos a respeito de quando seria solucionado o problema.

Guaraqueçaba completa 476 anos e prefeita não vê motivos para comemorar 1
Foto: Rafael Soveral/JB Litoral

No dia 4 de março, com a presença da prefeita Lilian, a equipe de reportagem do JB percorreu alguns trechos da PR-405. Além das condições difíceis que se encontra a estrada, existem alguns pontos que apresentam quedas de morro. Para a gestora municipal, a sensação de ver a PR em péssimo estado é de impotência. “É uma tristeza por conta do descomprometimento do Governo do Estado com a nossa região. São causas ambientais que cada vez mais vão culminando para que a população desanime, de estar vivendo aqui. A sensação é de impotência, de revolta, de falta de comprometimento do estado. O nosso povo é simples, humilde. São comunidades tradicionais, quilombolas que merecem respeito e dignidade para viver nessa cidade”, disse.

A prefeita disse, ainda, que quando há a necessidade de transferir algum paciente de Guaraqueçaba a outros hospitais de municípios vizinhos,  é preciso enfrentar até mesmo mais de 3 horas de viagem. “Infelizmente, contamos com a sorte para que os pacientes cheguem com vida. Em uma PR que está sem manutenção, leva em torno de 3 horas, 3h30, chegando, algumas vezes, a 4 horas até chegar a Antonina e Morretes. Nós teríamos que resgatar essa dignidade de o povo ter pelo menos o direito de lutar e ter condições de tratamento de saúde nas situações de urgências e emergências. Já houve um período que o DER era eficaz, estava mais presente, tinha equipamentos. Tinha mais funcionários. Como guaraqueçabana, como munícipe, eu vou lutar até o último dia para que realmente o Governo do Estado tenha um olhar voltado para Guaraqueçaba e resolva essa questão da PR-405, para o resgate social da nossa população”, salientou.

O que Guaraqueçaba representa

No fim da entrevista, Lilian Narloch falou sobre o amor pela cidade. Para ela, o município representa a sua existência. “Guaraqueçaba é a minha vida. Eu nasci aqui, vivo e quero continuar aqui por toda a minha vida. Guaraqueçaba é o meu berço, a minha casa e onde eu me identifico, me enxergo e falo a mesma linguagem do povo. Quando conhecemos a casa, acabamos nos familiarizando”, finalizou.

Pontos turísticos

Apesar de pequena, Guaraqueçaba possui diversos atrativos turísticos. Para quem é amante da natureza é possível visitar o entorno do Parque Nacional do Superagui e a Rerserva Natural Salto Morato. Essas regiões evidenciam a preservação da Mata Atlântica, assim como as inúmeras trilhas que dão acesso a Praia Deserta. Para chegar a esses locais, é necessário chamar uma embarcação.

Guaraqueçaba completa 476 anos e prefeita não vê motivos para comemorar 2
Foto: Rafael Soveral/JB Litoral

Outro ponto turístico é a Trilha do Telégrafo, a qual liga Guaraqueçaba ao município de Cananéia, São Paulo. O local, segundo historiadores, foi aberto pelos escravos no século XIX. A região é considerada, pelos trilheiros, como o percurso mais complicado, já que o caminho possui mata fechada. E, a 50 minutos do centro da cidade, tem a Cachoeira das Quatro Quedas. Para chegar até lá é preciso passar pela Reserva Ecológica do Sebuí. O passeio só é possível na companhia de um guia de turismo.

Além dessas atrações, o turista pode encontrar, também, a Igreja do Nosso Senhor Bom Jesus dos Perdões, o Mirante da Serra Negra, Morro do Quitumbê, Casario Colonial e demais pontos arrodeados pela diversidade natural da pacata cidade. Vale destacar que, por conta da pandemia do coronavírus, é necessário consultar os decretos municipal e estadual antes de visitar cada local.

CARTA ABERTA: OS GUARÁS CHORAM

(MENÇÃO AO SOFRIMENTO DIÁRIO DA NOSSA POPULAÇÃO)

Neste dia 11 de março, a nossa cidade completa 476 anos e, hoje, vejo como sendo nada mais justo que parabenizar o povo Guaraqueçabano… gente de bem, guerreira, honesta e batalhadora que, com seu trabalho diário, constrói o desenvolvimento do município e dentro das suas possibilidades não mede esforços na busca do crescimento e de melhores dias para esta cidade.

Desejo que cada munícipe seja um ponto de apoio na constante construção de uma Guaraqueçaba cada vez melhor e que, por meio de valores sólidos, ajude a preparar as crianças e jovens para este processo contínuo de transformação que o nosso município desenvolve e precisa. É necessário semear ações e colher conquistas, buscando no presente o futuro para que as vitórias da comunidade sejam sempre crescentes, demonstrando que somos nós quem fazemos o amanhã e que nossa perseverança é a luz que ilumina o caminho rumo a uma Guaraqueçaba cada vez mais justa e cidadã.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

No aniversário da nossa Cidade Terra querida, parabenizo a todos aqueles que, diariamente, cumprem sua missão, contribuindo assim com o desenvolvimento do nosso município, buscando sempre novos projetos e aceitando o desafio de fazer mais e melhor e, ainda, não perdendo de vista os anseios da comunidade, mostrando dessa forma que não existem fronteiras ou limites para alcançar nossos objetivos e atender os anseios do nosso povo.

 Já vivemos tempos em que os guarás sumiram. Entretanto, hoje, dia a dia, percebemos nossos filhos sumirem em busca de oportunidades. Os Guarás pouco a pouco estão voltando, porém, não vemos as mesmas oportunidades daqueles que aqui nasceram de regressarem. Sofremos um isolamento social, não há uma perspectiva de investimento na agricultura, pesca, turismo e comércio, pois tudo isso está atrelado ao acesso (PR 405), que mais parece um fundo de rio, sem manutenção e sem pavimentação, e via marítima, a qual dependemos de situação climática.

É com muito orgulho de ser uma cidadã Guaraqueçabana, de pertencer a esta cidade sol, linda e maravilhosa, de belezas naturais, que é meu aconchego e berço que me viu nascer, que deixo minha mensagem de esperança e agradecimento a toda essa gente guerreira, que luta para que possamos ser reconhecidos pelo Estado do Paraná, e que, em um futuro próximo, possamos sair deste exílio social onde vivemos, por falta do nosso acesso, pela estrada PR 405 pavimentada.

Sonhamos com o dia em que:

Nossa PR 405 seja pavimentada.

Nossa agricultura seja forte.

Nosso pescado dê sabor ao mundo.

Nosso Turismo (ecológico) tenha investimentos.

Nosso comércio seja movimentado.

Possamos ter dignidade no transporte de paciente.

Nossos filhos nasçam aqui em nossa terra.

Possamos ver nossos filhos voltando a sua terra para viver dignamente.

Somos ricos, meio ambiente esplêndido, pesca farta e terra fértil, contudo padecemos diariamente com o crescente êxodo das nossas famílias em busca de sobrevivência em outros municípios.

Um Forte abraço a todos e não desistamos da busca por nossos ideais, pois merecemos viver com dignidade!

Prefeita

Lilian Ramos Narloch

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments