Rio Branco está sem presidente, afirma documento publicado por Fabiano Elias em 2014

Documentos afirmam que atos praticados pela diretoria atual são nulos, inclusive a eleição do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal.

por Redação JB Litoral
14/02/2015 15:00 (Última atualização: 14/02/2015)

NULL

O Rio Branco Sport Club está dando show em campo no início desse Paranaense, conquistando no último final de semana a segunda vitória consecutiva. Porém, fora dos gramados, um documento publicado no ano passado pelo ex-presidente Fabiano Elias, em um jornal local afirma que o time está sem presidente. Segundo o documento, após a renúncia do vice-presidente Claudio José Silva Costa e consequentemente a renúncia do presidente, no dia 14 de abril, a convocação de eleições, posses e ações do novo Conselho Deliberativo e fiscal foram realizadas em desobediência ao Estatuto do clube. Sem apresentar nenhum documento comprobatório, a atual diretoria contesta a situação e afirma que tudo foi feito de acordo com o Estatuto do clube.

Conforme o documento publicado, com a renúncia do vice e do presidente, não houve mais Ata de reunião da diretoria válida e todos os atos praticados são nulos de pleno direito, inclusive a eleição do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal, além da Convocação e fixação de prazos para a eleição da Diretoria Administrativa. O Edital publicado no dia 05 de junho no jornal, não levava o nome e o cargo de quem assinou o referido documento, já que os Artigos 47 e 48 do Estatuto do Rio Branco Sport Club direcionam os deveres e competências do presidente e vice-presidente.

Com a renúncia do Claudio Costa, o ex-presidente Fabiano Elias na época aplicou o Artigo 60 do Estatuto, pois o mesmo não prevê quem assumiria as funções da presidência no caso da ausência do cargo. Obedecendo aos artigos 42, 43 e 45 do mesmo Estatuto, a opção do ex-presidente foi reunir a diretoria para mudar o Estatuto do Clube. Na ocasião, já que um havia renunciado ao cargo, restando seis titulares, o quórun mínimo necessário para definição é de três diretores, o número foi obedecido na reunião que trataram da licença do ex-presidente por 100 dias. Com a renúncia do ex-presidente, a convocação dos órgãos para uma nova eleição, seria realizada com 1/5 (um quinto) dos associados de direito, como determina o Estatuto em seus Artigos 22, 23 e 31. Porém, sendo certo que a figura do presidente era inexistente desde a apresentação da renúncia, a eleição e posse dos Conselhos Deliberativo e Fiscal, segundo o documento, “ocorreram fora do prazo explícito estipulado no Estatuto, termos que essas eleições são absolutamente nulas, detentoras de vícios e erros insanáveis”, consta no documento publicado.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

A reportagem do JB procurou o suposto presidente do clube, o jornalista Thiago Temanski Campos e também o suposto presidente do Conselho Deliberativo do Rio Branco, o empresário Nilo Barboza, para esclarecer a situação. Por telefone, Campos disse que tudo foi feito de acordo com o Estatuto do Clube e que a Federação Paranaense de Futebol (FPF) aceitou os documentos e por isso considera legal o seu cargo. Já Nilo Barboza, também por telefone, diz que tudo está documentado em Ata e que não há irregularidade, podendo qualquer pessoa ter acesso aos documentos. Desde a semana passada, Campos e Barbosa prometeram apresentar a ata que comprova a legalidade dos seus cargos, porém, até o fechamento desta edição não houve retorno.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments