Destaques

Louis Dreyfus ignora Código de Postura e mantém entulhos na marginal da BR-277

Por Redação JB Litoral
29/08/2014 09:50 |
Atualizado em 09:50

No dia 13 de maio, o JB mostrou em seu caderno de Responsabilidade Social, o estado de abandono e falta de manutenção da marginal da BR-277, que fica ao lado do muro da empresa Louis Dreyfus Commodities (LDC) em Paranaguá. A falta de roçada e manutenção no trecho que circunda o muro do armazém fez o matagal avançar até a ciclovia chegando próximo da pista de rolamento na rodovia federal. Em diversos trechos, amontoados de entulhos e lixo estavam despejados e, alguns pontos, servindo de pasto para cavalo.

Os moradores, refém da falta de roçada, sofriam com o mau cheiro causado pelo lixo despejado no mato. Uma placa colocada no início do matagal demonstrava toda revolta dos moradores, através do apelo desesperado “não jogue lixo aqui pelo amor de Deus”. Duas semanas após a cobrança, a empresa investiu numa roçada em toda a extensão, liberando a marginal de todo entulho e matagal. Passados quase três meses, o resíduo desta roçada ainda se encontra no local, dividida em quatro grandes amontoados de terra que estão cobertos de mato. Uma funcionária da LDC disse ao JB que os amontoados de terra seriam retirados, o que ainda não aconteceu. 

A reportagem do JB falou com a empresa FSB Comunicações, que responde pela Assessoria de Imprensa da LDC, que informou que a área em questão “não é propriedade da LDC. Mesmo assim, para contribuir com a comunidade local, a companhia decidiu limpar o terreno”. A Assessoria disse ainda que “a limpeza continua ocorrendo e o material na área está sendo retirado”. Porém, não existe nenhuma pessoa fazendo a limpeza e o material continua no mesmo local desde maio. A Assessoria informou ainda que “por não se tratar de sua propriedade, porém, a LDC não tem como impedir o descarte de lixo e entulho no local por terceiros”.
Lei Complementar 68/2007

Vale lembrar que a Lei Complementar 68/2007, que instituiu o Código de Posturas no município, em seu inciso II do artigo 33, determina que “ninguém é lícito, sob qualquer pretexto, salvo nos casos previstos no presente Código e desde que antecipadamente autorizado pela Municipalidade, é permitido “deixar em mau estado de conservação as calçadas e passeios fronteiriços, paredes frontais das edificações e dos muros que fazem frente para as vias públicas”.

Enxofre e filtros

A reportagem do JB questionou ainda a situação levantada pelo morador César Mendes, que denunciou que ele e sua família estão sendo afetados pela emissão de gases, provenientes de dois misturadores da empresa, em atividades feitas no período noturno.
A LDC admitiu que movimenta enxofre na unidade no período noturno, confirmando a suspeita do morador.

“Alguns dos componentes utilizados pela LDC na unidade têm enxofre em sua composição, mas a empresa não utiliza esse elemento em sua forma pura”, admitiu a Assessoria e Imprensa, afirmando que esses misturadores de fertilizantes possuem filtros para minimizar a emissão de gases.Sobre o tipo de movimentação realizada no período noturno, a LDC afirmou que são “as mesmas realizadas durante o dia na unidade: mistura de componentes para a fabricação de fertilizantes, que respeitam todas as normas em relação a emissões”.